quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Bate leve, levemente...

(AP Photo/Alvaro Isidoro)

Benfica – 2; Bate Borisov – 0 (1ª jornada da Liga Europa – fase de grupos) No dia em que foi considerado pelo jornal desportivo de Madrid, “Marca”, como o novo José Mourinho, Jorge Jesus voltou a demonstrar ser o melhor reforço da época no Benfica. Na primeira jornada da Liga Europa, fase de grupos, o encontro com o Bate Borisov, da Bielorússia, encerrava perigos vários.

O adversário, ao contrário do que alguns quiseram fazer crer, está longe de ser um ilustre desconhecido. No ano transacto andou pela Liga dos Campeões e, na memória, ainda está o nulo que impôs ao Real Madrid.

Jesus sabia que tinha de mexer na equipa. Com este desafio emparedado por duas jornadas da Liga portuguesa, e logo jogos fora de casa (Belenenses e Leiria), o treinador do Benfica promoveu à equipa principal o novel reforço brasileiro de última hora, Felipe Menezes, lançou a titular, pela primeira vez, Nuno Gomes, apostou em Maxi, recuperado e a precisar de minutos, e entregou a baliza, também pela primeira vez, a Júlio César. No banco ficou Saviola, fora da convocatória ficou Aimar.

Tudo correu quase como previsto. Para ter sido mesmo, mesmo, perfeito só faltou mais alguma eficácia na concretização, tal o número de oportunidades criadas. Mas na retina fica a classe, o talento e a qualidade técnica de Felipe Menezes – um nº 10 que vai fazer furor; a entrega e a importância de Nuno Gomes, autor de um golo, o outro foi de Cardozo; e a excelência de Júlio César, protagonista de um punhado de brilhantes defesas.

O resultado peca por escasso, mas o essencial está garantido: 3 pontos e uma gestão dos recursos humanos cirúrgica e cientificamente correcta, já a pensar em Leiria, em mais uma invasão vermelha e num grande jogo de futebol. Assim vale a pena ir ao estádio.

Homem do jogo: Ramires



10 comentários:

  1. Concordo com o homem do jogo, embora também Nuno Gomes o pudesse ser, 1 golo e uma assistência magistral para Cardozo, o passe é de grande qualidade.
    Não gosto desse tipo de títulos, Jorge Jeus é Jorge Jesus, um treinador de muita qualidade, mas que está ainda a começar, bem, mas a começar.
    Num jogo sem Aimar, necessariamente o futebol encarnado tem de ser outro e na ausência de alguma criatividade e fluídez de jogo, surgiu o empenho e as constantes trocas posicionais dos seus jogadores, com Ramires em grande plano.
    Destaco ainda o regresso do nosso capitão Nuno Gomes, um belo golo e um passe magistral para o segundo, a mostrarem que Nuno está vivo e de saúde e sempre com uma grande disponibilidade em dar o seu contributo à equipa. Um capitão é assim.
    Filipe Menezes, ainda em fase de adaptação ao futebol do Benfica e europeu, fez um jogo em crescendo, com pormenores muito interessantes, a mostrar, que melhor integrado, temos um jovem de muita qualidade e de futuro garantido com êxito no Benfica.

    ResponderEliminar
  2. A seguir á Bonança virá a tempestade
    Vai gozando que não falta muinto para ires com a ventania

    ResponderEliminar
  3. tão simples como isso, venha o leiria!!

    ResponderEliminar
  4. Foi uma previsivel vitória, que pecou por escassa.

    O nosso ENORME está a jogar como nunca.
    Estou feliz também é com as contratações que fizemos, acautelando o futuro.

    ResponderEliminar
  5. É isso mesmo. Gestão de plantel 5 estrelas. E Jesus é Jesus. Mourinho é Mourinho. Não se comparam, são completamente diferentes.

    ResponderEliminar
  6. http://undercoverslb.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  7. Bater num Bori(ng)sov até qualquer equipa de meio da tabela nacional...
    Ganhou, geriu, e siga a marinha...até Leiria.

    ResponderEliminar
  8. ...como quem chama por mim,
    É o Nuno, é o Aimar?
    Só pode ser do BENFICA
    porque os outros não batem assim
    BENFICA SEMPRE

    ResponderEliminar
  9. Perdemos muitos golos.
    Aprovo a gestão de esforço feita pelo Jesus.

    Ainda ando nas nuvens!!!!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...