terça-feira, 29 de julho de 2008

À espera das decisões de Quique

O modelo de jogo preferido de Quique Flores: 4-4-2

A Federação Portuguesa de Futebol pode ter virado uma página histórica no futebol português. Os rostos (Valentim Loureiro e Pinto da Costa) do “sistema”, como lhes chamou e bem António Dias da Cunha, estão a pagar por terem conduzido o nosso futebol para um “bas-fond” infrequentável.
Tarde e a más horas, mas fez-se justiça. Mesmo assim, foi preciso recorrer a um homem acima de qualquer suspeita, professor catedrático de Direito Administrativo (o que dirá agora Pinto da Costa de Freitas do Amaral, depois de ter enchido a boca na entrevista à SIC com os “pareceres de catedráticos”, como referiu, agitando papéis no ar). Freitas “foi” fixe!
Agora é esperar para ver o que se vai passar a seguir, mas nada voltará a ser como dantes no futebol português. Luís Filipe Vieira, que, com Dias da Cunha, elaborou um manifesto em defesa da credibilidade do futebol em Portugal – documento histórico que merecia ser publicado e dado a conhecer à opinião pública – mantém-se, e bem, numa postura de recato, depois de uma entrevista corajosa e marcante a Judite de Sousa, na RTP.
Quando um dia se fizer a história dos momentos que revolucionaram o futebol português, os rostos da sua credibilização merecerão lugar de destaque: Luís Filipe Vieira, António Dias da Cunha, Ricardo Costa, Hermínio Loureiro, Herculano Lima.
Se na luta pela higienização do futebol, o Benfica marca pontos, nos relvados a equipa está ainda a gatinhar. Quique continua a fazer experiências, mas o tempo urge e o início a sério está a três semanas de distância. O treinador espanhol já sente, e de que maneira, a pressão. E já percebeu que o Valência, apesar de ser um “grande” de Espanha, não passa de um clube modesto quando comparado com a dimensão do Benfica. Quique está no olho do furacão!
Os jogos com os ingleses do Blackburn Rovers e o Sporting mostraram uma equipa má a defender e razoável a atacar. O pior é que não era, bem notado, uma equipa mas um amontoado de jogadores. Um Benfica de tracção à frente, mas ainda desequilibrado e sem fio de jogo.
Até ao fim de semana, Quique tem de pôr a casa em ordem. As dispensas vão ser a sua primeira prova de fogo. E só depois é que pode começar a pensar num onze base, num esquema táctico e numa filosofia de jogo.
Deixem-me, por uma vez, ser treinador de bancada e colocar livremente aquele que seria o meu 11 de eleição para esta época: 1 – Quim; 2 – Nelson; 3 – Luisão; 4 – David Luiz; 5 – Léo; 6 – Katsouranis; 7 – Petit; 8 – Carlos Martins; 9 – Óscar Cardozo; 10 – Pablo Aimar; 11 – Di Maria.
Convém contratar um guarda-redes de nível europeu. Falta um nº 2 com outra dimensão. É preciso mais um central de valor a juntar a Sidney. Para outro esquema, Petit ou Katsouranis podem dar lugar a Balboa. Quanto a Aimar (que bem lhe fica aquela camisola), o problema está em o compatibilizar com Carlos Martins. E ainda há Maxi, Jorge Ribeiro, Sepsi, Yebda, Ruben Amorim, Nuno Assis, Urreta, Makukula, Nuno Gomes, Mantorras, talvez Luís Garcia, talvez Miccoli, talvez outro qualquer – Luís Filipe, Edcarlos e Zoro já são cartas fora do baralho. Ovos não faltam, vamos a ver o sabor das omoletes.

4 comentários:

  1. Sinceramente acho que é bom sinal.

    Até agora Quique trabalhou com um grupo grande e com muitos jogadores indisponíveis.

    Já percebeu quais os que valem e os que são para dispensar. E conseguiu isso após 3 semanas de treinos, de 3 jogos e muito trabalho.

    Agora a equipa vai entrar em 3 semanas e meia de preparação. Mais do que suficiente...

    Que há jogadores que poderiam vir para melhor, claro que há. Mas olhem para os outros e digam-me se Nélson é pior que Sappunaru ou Abel? Se Quim é pior que Helton (que é mais uma vedeta criado pelos jornais) ou Rui Patrício? Se Sidnei, David Luiz, Luisão são piores que o conjunto Polga, Tonel, Caneira ou Stepanov, PEmanuel e Bruno Alves (que num campeonato a sério passava metade do tempo suspenso)? Ou que Léo não é muito superior a Grimi ou Fucile?

    O Benfica está a criar uma nova equipa. Novo Director, novo treinador e muitos novos jogadores... demora o seu tempo. Sporting e Porto quase nada mudaram. Para 90% dos jogadores a filosofia de jogo é a mesma.... por isso parecem estar mais avançados.

    É uma época longa e é preciso fazer o trabalho com pés e cabeça. E os jornaleiros andam já excitados... além do mais é preciso fazer esquecer as ANORMALIDADES do Gonçalves Pereira e seus amigos.

    ResponderEliminar
  2. O blog 'Inferno da Luz' está linkado ao 'Leão Rampante'.

    http://leaorampante.blogspot.com/

    Saudações Leoninas.

    ResponderEliminar
  3. Entrevista a José Maria Martins em http://benfica20082009.blogspot.com

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...